O que é preciso saber sobre o ômega 3?


Nunca se falou tanto sobre a suplementação com ômega 3 e já há inúmeros trabalhos demonstrando seus benefícios à saúde, sendo cada vez mais recomendado por médicos e nutricionistas. Porém, como qualquer tipo de suplementação, é essencial que sejam observados diversos fatores como a indicação, o tipo de benefício desejado e, especialmente, a qualidade do produto selecionado. 

 "Eu comprei um produto uma vez, que era um terror, não garantia absolutamente nada que prometia, então como esse hábito em consumir o ÔMEGA 3 está sendo muito difundido, achei pela minha experiência trazer para vocês informações de um produto realmente CONFIÁVEL, e informações dadas por uma especialista." É textão mais vale muito a pena ler tudinho, é para nossa saúde...

Vamos conhecer um pouco mais sobre? Bora lá: 
“Os ômega 3 são ácidos graxos polinsaturados essenciais – substâncias que nosso organismo necessita, mas não é capaz de produzir, devendo estar presentes na alimentação. Dentre os mais importantes ômega-3 estão o ácido docosahexaenóico – DHA – e o ácido eicosapentaenóico – EPA, encontrados nos peixes de águas profundas”, afirma a Dra. Maria Inês Harris, Consultora Científica da Biobalance e Diretora do Instituto Harris. 

DÚVIDAS , DÚVIDAS E MAIS DÚVIDAS, 
vamos agora saber tudinho com a especialista!?  


A química comenta as dúvidas mais frequentes sobre o ômega 3: 

E em quais aspectos da saúde este suplemento atua uma vez que seja ingerido na quantidade diária correta? “No pré-natal, ele atua no bom desenvolvimento do sistema nervoso e imunológico do bebê. Durante a amamentação, o ômega 3 contribui para o desenvolvimento cerebral. Na infância, ele também é um aliado do cérebro. Já na vida adulta, esse tipo de óleo essencial reduz os níveis de colesterol ruim e dos triglicerídeos. Na oftalmologia, o ômega 3 combate a síndrome do olho seco. Por sua capacidade anti-inflamatória, é útil nos cuidados da psoríase e dermatites e também como protetor no sistema nervoso central na terceira idade”, diz a química. “Existe um número considerável de pesquisas que relacionam o ômega 3 a uma série de benefícios para a saúde. Ele ajuda comprovadamente na redução do risco cardiovascular, atua positivamente em doenças autoimunes, demência e até depressão”

É possível obter o ômega 3 necessário para nosso organismo pela dieta tradicional? “Na dieta ocidental, há diversas fontes de ácidos graxos essenciais, contudo a proporção entre os ácidos graxos ômega-3 e ômega-6 não é a ideal, ingerindo-se uma grande quantidade de ômega-6. Essa proporção pode ser relativamente melhorada pela ingestão de grandes quantidades de peixes como o salmão ou o atum, por exemplo, mas para retomar o equilíbrio entre os dois tipos de ômega faz-se realmente necessária a ingestão de ômega-3 na forma de EPA e DHA, que não podem ser convertidos em ômega-6, como ocorre com o ácido linolênico, um ômega-3 obtido de óleos vegetais – como por exemplo o óleo de oliva.

Qual a quantidade diária de ômega 3 que devemos consumir? “Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), é essencial que no mínimo 1 a 2% do total de energia diária consumida seja de EPA + DHA, o que corresponde a aproximadamente 500 mg. Mas essa quantidade varia, por exemplo, com o estado de saúde.

O que é preciso observar em um suplemento de ômega 3? O principal aspecto a observar é a pureza do suplemento, uma vez que as capsulas de óleo de peixe não concentrados apresentam em sua composição apenas uma pequena percentagem de EPA e DHA (cerca de 20-28%), sendo o restante composto de ômega-6 e ácidos graxos saturados, que prejudicam o efeito dos ômega-3. Deve-se portanto ingerir cápsulas com elevado teor de EPA e DHA. No Brasil, foi lançado o OmegaPURE, que apresenta 90% de ômega-3.





Para saber mais acesse o siteFB e Instagram. SAC: sac@biobalance-nutraceuticals.com ou 0800-771-8438.






Comentários